Por que a comunicação interna vai mal na sua empresa?

Muitas vezes, a comunicação interna vai mal e os líderes nem se dão conta disso.

Eu resolvi dar um tempo aqui nas publicações sobre marketing pessoal e personal branding para conversarmos sobre um ponto muito importante para qualquer área de nossas vidas, nossa comunicação.

Certa vez, já faz algum tempo, eu fui contratada por uma editora aqui de Belo Horizonte para uma palestra sobre comunicação no ambiente organizacional. Era uma daquelas semanas em que a empresa investe em segurança do trabalho. Eles queriam oferecer algo diferente para os funcionários.

Aceitei de imediato e parti então para o briefing da palestra. Lembro-me que o primeiro ponto a ser citado pelo responsável por minha contratação foi que eu deveria ser o mais clara possível, sem usar termos técnicos, pois o público era de baixa escolaridade e, nas palavras do contratante, “pessoas muito simples”.

Naquela hora me veio à mente: sério que as pessoas vão em empresas dar palestras cujo objetivo é melhorar o dia a dia no trabalho e apresentam teorias da comunicação? Eu mal podia imaginar aquilo, mas se logo de início foi o ponto principal a ser mencionado pelo meu contratante, certamente era o que acontecia.

Eu precisava saber se naquela empresa havia conflito de gerações, se eles faziam reuniões setoriais e entre os setores, se havia algum veículo de comunicação interna, etc. Porém, a interrupção no momento da minha investigação foi clara: “Eles não sabem obedecer ordens”.

Diante deste problema de comunicação, levantei algumas possibilidades para tal: A definição de cargos e funções não está clara, as ordens não são transmitidas de maneira clara ou há de fato um problema na interpretação dessas ordens que pode ser, por exemplo, o formato que ela é dada. Eu precisava entender e não havia tempo hábil para tal, pois a contratação aconteceu na segunda-feira e a palestra seria na quarta-feira. Montei uma palestra coringa e fiz duas versões, uma com conflito de gerações e uma sem. Eu precisava me preparar o melhor possível.

Chegou o dia da palestra. Fui recebida com muita timidez, talvez receio, poupas palavas, mas muita educação. Fui apresentada pelo responsável pelo RH e iniciei a palestra. Tentei fazer aquele momento de caos inicial transcorrer o mais leve possível. Fiz uma dinâmica inicial, oferecendo como compensação bis aos que quisessem participar e assim, conquistei cinco valentes participantes. Desta forma, fomos nos conhecendo e construindo confiança naquela breve relação que durou uma hora.

Falei sobre o processo de comunicação, sobre linguagem não verbal, verbal e escrita, sobre veículos de comunicação interna, sobre reuniões e sobre pessoas. Sim. Como falar de comunicação sem falar sobre pessoas?

E foi exatamente neste ponto que descobri qual era o problema de comunicação daquela editora: os funcionários não sabiam quem eram seus líderes. Por óbvio, o ruído na comunicação interna estava na não identificação de a quem recorrer. Sendo assim, o problema de “não saber obedecer às ordens” estava claro. Os funcionários não sabiam qual era a ordem prioritária.

Eu finalizei as formalidades e, aproveitando a presença do setor de RH, parti para a parte final que apresentava algumas possíveis soluções para minimizar ruídos de comunicação interna e o problemas de comunicação daquela empresa.

Relacionamento e comunicação interna

Muitas empresas acreditam que o problema de comunicação está nos funcionários, mas poucos entendem que tais problemas são influenciados por uma cultura organizacional austera, de pouca abertura e que muitas vezes existe porque sempre existiu daquela maneira, sem um motivo claro e coeso da razão de ser.

Acreditem vocês, algumas empresas sequer organizam reuniões periódicas para saberem as demandas setoriais, conhecerem seus funcionários e apresentarem relatórios. Muitas vezes, os relatórios são enviados por e-mail e ponto final.

Um empresa é uma pessoa jurídica formada por muitas pessoas físicas. A semelhança entre ambas é obvia, são pessoas. Por que você acha que uma empresa se movimentará apenas com ordens e execução de tarefas? Pessoas precisam de relacionamento.

Investir em relacionamento interno parece óbvio, mas é o diferencial que tornará sua empresa mais rentável, mais eficaz e mais assertiva. Não seja um robô humano, não monte uma equipe de robôs humanos, invista em seres humanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *